Cyborgs e outros alter egos

< >

Reinauguração do segundo andar com exposição e palestra de Zaven Paré, professor e pesquisador do PPDEsdi/UERJ.


http://zavenpare.com/

Zaven Paré nasceu em Fort de l'Eau (Argélia) e cresceu na periferia de Paris. Ele estudou pintura na École Nationale Supérieure des Beaux Arts, e desenho científico no Museum National d'Histoire Naturelle em Paris. Em 1983, ele exibiu sua primeira grande instalação no Musée d'Art Moderne de la Ville de Paris e mudou-se para o Canadá em 1986. Em Montreal, trabalhou em várias frentes, incluindo pintura, desenho e ilustrações, estabelecendo padrões de criação fora das fronteiras tradicionais e em várias mídias. A pintura ocupou uma grande porção dos prolíficos anos oitenta, durante os quais ele também desenhou cenografias e figurinos para os coreógrafos Marie Chouinard e Edouard Lock, para o compositor Mauricio Kagel e para o diretor de teatro Denis Marleau.
Retornando à França no início dos anos noventa, Zaven retomou sua atividade de gravurista e colaborou para edições de livros de artista. Durante esses anos ele respondeu a encomendas de prestígio como para as fabricas de Aubusson, de Beauvais e de Sèvres.
Zaven Paré é também conhecido como performer no campo da robótica. Ele encenou a primeira versão de um texto de Valère Novarina em inglês com máquinas: "The Theater of the Ears" foi apresentado em 1999 no CalArts (Califórnia Institute of the Arts) em Los Angeles, e depois em Nova York na LaMama Etc durante o Henson Festival. Em 2001, a versão francesa dessa peça encenada com suas marionetes eletrônicas, incluindo o clone de Novarina (coleção do Ballard Institute, Connecticut) foi apresentada em Avignon. Em 2003, Novarina convidou Zaven para criar uma efígie eletrônica do ator Dominique Pinon (coleção do Musée Gadagne, Lyon), que foi usado na peça "La Scène". De 2009 à 2011, Zaven foi o artista contemplado por uma exposição itinerante intilulada "Cyber Art" nas Caixas Culturais de cinco cidades brasileiras.
Ele recebeu o prêmio da Villa Kujoyama em Kyoto, da Japan Society for Promotion of Science (JSPS) enquanto trabalhava como Robot Drama Researcher para o repertório do dramaturgo Oriza Hirata com humanóides e andróides no Intelligent Robotics Laboratory dirigido pelo Professor Hiroshi Ishiguro. Em 2011, ele foi recompensado pelo 9° Prêmio Sergio Motta de Arte e Tecnologia, categoria Meio de Carreira.
Zaven Paré vive e trabalha no Rio de Janeiro.

https://www.facebook.com/events/246031736172098/