--gray-1
--gray-2
--gray-3
--gray-4
--gray-5
--red-1
--red-2
--red-3
--red-4
--red-5
--yellow-1
--yellow-2
--yellow-3
--yellow-4
--yellow-5
--green-1
--green-2
--green-3
--green-4
--green-5
--blue-1
--blue-2
--blue-3
--blue-4
--blue-5
--purple-1
--purple-2
--purple-3
--purple-4
--purple-5

Projetos

444 itens encontrados
a-z crono
PPDESDI Doutorado

Design pelas mãos: ensino de design de produto através de métodos práticos de oficina

A proposta de pesquisa busca aprofundar os conhecimentos necessários para formar designers capazes de desenvolver e produzir suas próprias peças autorais de maneira artesanal em baixa e média escala, propondo uma formação para atuar como designer produtor. O design, que sempre precisa se adaptar às tendências do mercado e novas tecnologias, se diversificou desde a Revolução Industrial em várias categorias. O design de produto, uma das áreas clássicas do design, incorporou novas tecnologias, mas a atuação do profissional no mercado ainda segue os moldes tradicionais, geralmente em agências ou empresas.

Desde os anos 80, uma nova forma de atuação, o designer produtor, vem surgindo. Este profissional é responsável pelo desenvolvimento, execução e comercialização do projeto, combinando conhecimentos formais e práticos, mesclando técnicas tradicionais e modernas. No entanto, essa abordagem é pouco discutida e os estudantes de design enfrentam dificuldades para desenvolver projetos nos laboratórios das universidades do Rio de Janeiro devido à falta de incentivo, infraestrutura inadequada e burocracia.

O currículo da ESDI, embora ofereça uma oficina bem equipada, não incentiva suficientemente o uso prático após o primeiro ano, refletindo uma tendência geral de redução da carga horária para projetos de produto. A formação generalista da ESDI e a falta de incentivo para habilidades manuais nas outras universidades levam à intelectualização de um curso naturalmente prático.

A pesquisa propõe uma revisão do ensino das técnicas práticas de produção, integrando conhecimentos de empreendedorismo para preparar designers produtores. A cultura DIY e os espaços maker, embora presentes, têm baixa adesão de designers formais devido à falta de qualificação e divulgação. Uma formação mais prática e orientada ao empreendedorismo pode aproveitar essas estruturas, permitindo a criação de designers produtores.

Erick Teixeira de Araujo
PPDESDI Doutorado

Aprendizagem Baseada em Design na formação continuada de professores do Ensino Médio

O entrelaçamento entre o campo do Design e a área da Educação, no que tange à ampliação da interdisciplinaridade do processo projetual para as práticas de ensino-aprendizagem, com a intenção de contribuir na formação de professores capazes de atuar na complexidade do mundo contemporâneo, é o tema central desta pesquisa. Faz-se urgente, principalmente no cenário pós-pandêmico, catalisar esforços de diferentes áreas do conhecimento para, em parceria com os profissionais da educação, pesquisar, refletir e debater os desafios existentes na realidade das escolas públicasbrasileiras, buscando construir uma educação que vai além da transmissão de informação, que considera o ensino com propagação da experiência (Kastrup, 1999) e a multidimensionalidade das questões envolvidas nos processos de ensino-aprendizagem, oportunizando o pensamento crítico e a autonomia na formação de jovens. O avanço exponencial dos recursos tecnológicos no século XXI nos força a questionar se as práticas e os conceitos de ensino-aprendizagem vigentes em grande parte das escolas públicas no Brasil são eficazes para construir um modo de pensar e agir que não seja apenas operacional e sistemático nos nossos jovens. Para além das questões práticas relativas ao domínio de linguagens e de aparatos tecnológicos, precisamos ampliar as discussões com foco no enfrentamento de problemas compostos de vários elementos e dispostos em um emaranhado de camadas como, por exemplo, o esgotamento dos recursos naturais do nosso planeta.

Mitchel Resnick (2017, p. 23) coloca a seguinte pergunta, “Como podemos ajudar osjovens a se desenvolverem como pensadores criativos, para que estejam preparados para uma vida neste mundo em que tudo muda tão rapidamente?” Ele apresenta então os quatro Ps que acredita serem centrais para ações educativas que se comprometam com o estímulo à criatividade e à inovação, a saber: projetos (projects), paixão (passion), parcerias (peers) e pensar brincando (play).

Partindo do pressuposto de que o aluno aprende melhor quando torna significativa ainformação ou os conhecimentos que lhe são apresentados (Hernández & Ventura,1998), o pensamento projetual, intrínseco ao Design, tem se revelado uma abordagem promissora como prática pedagógica para lidar com a fluidez do mundo contemporâneo e implementar espaços educativos mais instigantes e criativos. A Aprendizagem Baseada em Design, segundo Bianca Martins (2022, p.23), se apresenta como um tipo especial de aprendizagem ativa cuja “estratégia educativa favorece a abordagem multidimensional apropriada à abordagem de problemas do mundo contemporâneo, que se realiza por meio de trabalho em equipe, desenvolve a solução em colaboração

Christiane Mello
PPDESDI Doutorado

O Papel do Pensamento Crítico no Desenvolvimento Profissional de Designers: Uma Análise de Experiências no Ensino de Design

Esta pesquisa tem como objetivo realizar uma avaliação do potencial das práticas pedagógicas implementadas no curso de graduação em Desenho Industrial da Escola Superior de Desenho Industrial (ESDI) no que diz respeito ao estímulo e desenvolvimento da habilidade do pensamento crítico em seus alunos. A pesquisa abordará elementos curriculares, a filosofia institucional, métodos de ensino e a influência do corpo docente na perspectiva do exercício do pensamento crítico. O trabalho também busca identificar potenciais desenvolvimentos de métodos colaborativos e eficazes para a promoção de uma formação alinhada às demandas do mundo contemporâneo.

Ricardo Barreto Moraes
PPDESDI Doutorado

O livro de arquitetura no Brasil

Os estudos desenvolvidos durante o mestrado estão ancorados nas relações transversais entre arquitetura e o design gráfico; o livro de arquitetura contribui para o debate disciplinar e o contrário também é verdadeiro: a cultura do livro é fomentada pelo tema da arquitetura. Projeto e planejamento, decisões e escolhas, além da ação de agentes responsáveis pela existência material dos objetos, eram abordagens do meu repertório disciplinar (formação em arquitetura) que estavam à disposição para completar aquele ciclo de estudos. Porém, apropriando-se do método de pesquisa da memória gráfica e da cultura material me aproximei do objeto de análise procurando compreender a natureza estratégica da página do livro e das condições de sua realização, permitindo-me perceber como se dá a pesquisa em design. Como afirma Forty, “a aparência das coisas é, no sentido mais amplo, uma consequência das condições de sua produção” (2007, p. 12). Pesquisas semelhantes à que se pretende realizar foram desenvolvidas por Danilo Matoso Macedo na tese de doutorado em Arquitetura e Urbanismo “Biblioteca brasileira de arquitetura, 1551–1750”, orientada por Sylvia Fischer e apresentada na UNB em 2017, e Leonardo Caramori que apresentou a dissertação de mestrado “A biblioteca da Escola Politécnica de São Paulo e seus acervos de engenharia civil e arquitetura entre 1894 e 1928”, orientada por Solange Ferraz de Lima, na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH/USP) em 2015. Apesar do hiato temporal entre os levantamentos bibliográficos e documentais realizados pelos autores, são estudos que fornecem pistas de pesquisa num universo disperso, porém específico. Macedo consultou inventários de acervos coloniais e selecionou autores brasileiros a partir de um levantamento em bibliografias gerais sobre o período (2017, p. 1-2), enquanto Caramori se debruçou sobre dois conjuntos documentais: papéis administrativos da biblioteca e da diretoria da Escola Politécnica de São Paulo, importante espaço de articulação política, profissional e intelectual de arquitetos e engenheiros na região de São Paulo (2015, resumo). Observei, na análise preliminar dessas referências, a omissão relativa à dimensão gráfica dos impressos, um campo de estudo ainda incipiente. A afirmação de Tavares que “a mudança do manuscrito para a impressão e dos desenhos feitos à mão para imagens reproduzidas mecanicamente” (2016, p. 19) beneficiou a cultura arquitetônica com a aquisição de códigos de representação foi também importante para a “valorização do trabalho de projeto sobretudo no livro ilustrado” (CARDOSO, 2005, p.161). Fato que justifica a presente investigação que busca compreender o livro de arquitetura como um produto industrial derivado de um projeto e suas dimensões como um produto social e cultural.

Maria Helena Röhe Salomon
PPDESDI Doutorado

Ensino de Design para além dos muros da graduação

Victor Hugo Batista da Silva
PPDESDI Doutorado

Livros, design e feira: uma proposta de etnografia na cena de publicações independentes brasileiras

Tarcísio Bezerra Martins Filho
PPDESDI Doutorado

Design Gráfico e poesia visual na trajetória de André Vallias

Samuel Florensio Rodrigues Otaviano
PPDESDI Doutorado

Design sustentável como base para o desenvolvimento de exposições interativas

Rita de Cássia da Costa Alcântara
PPDESDI Doutorado

Cores e traços: a evolução gráfico-projetual do livro infantil ilustrado no Brasil

Pedro Paulo Giudice de Menezes
PPDESDI Doutorado

Design (re)existência como dispositivo para uma pedagogia encantada

Recuperando a essência questionadora e revolucionária do campo do design, esta pesquisa se inicia com um reconhecimento de parte da história da América Latina e Caribe numa leitura descolonial, materialista e dialética. Para em seguida, apoiada no método doble crítica de Lao-Montes & Vázquez, desenvolver: uma crítica imanente — sobre a produção da vida na América Latina e Caribe e sua relação com o design; e uma crítica transcendente — uma interpretação subalterna desta produção a partir da materialidade encontrada no espaço urbano da periferia capitalista, especificamente o design (re)existência: a gambiarra brasileira, a desobediência tecnológica cubana, el hechizo chileno, entre outros. A partir disso, a proposta principal deste trabalho se torna a investigação de como o design (re)existência pode atuar através de uma pedagogia humanista, alinhada aos conceitos de decolonialidade e participação. E assim, impulsionar a criatividade desobediente e confrontante à hegemonia para a construção de uma consciência crítica da realidade latino-americana. Para tanto, estas práticas assumem o protagonismo de tecnologia política para alcançar o imaginário coletivo através da materialidade dos objetos. De maneira objetiva, a elaboração de uma proposta de uma contradisciplina para a formação acadêmica de graduação, possível de ser ampliada a nível internacional na América Latina e Caribe, tendo como base uma pedagogia encantada, uma pedagogia que afirma a vida. Como resultados, espera-se a formulação de um curso que estimule o conhecimento por parte dos estudantes das diversas e contraditórias histórias que compõem a América Latina e também o fortalecimento da comunidade do design comprometida com a autonomia e a liberdade da produção material e simbólica da vida neste território mestiçado, híbrido e sobretudo, resistente. 

Pamela Marques
PPDESDI Doutorado

Carnaval, saberes populares e pensamento projetual

Marcos Aurélio Machado dos Santos
PPDESDI Doutorado

Wayfinding e sistemas informacionais em ambientes hospitalares

O objetivo da presente pesquisa é conceber e avaliar um conjunto de diretrizes para que os designers de wayfinding e arquitetos brasileiros possam utilizar em projetos relativos às situações de orientabilidade espacial em ambientes de saúde, com enfoque pediátrico. Para isso, fez-se o uso de uma série de instrumentos relacionados ao método Wayfinding Information Behavior – WIB (Comportamento Informacional de Orientação), como as Entrevistas Semiestruturadas. Além disso, foram aplicadas as técnicas de Estudo documental e Observação Não-Participante, selecionadas para aplicação durante as etapas da pesquisa de campo. As revisões sistemáticas e narrativas de literatura possibilitaram, através das strings de busca, a categorização dos dados em: Conceitos de Wayfinding; Design de Wayfinding; Wayfinding em Hospitais. Nas Entrevistas Semiestruturadas foram utilizadas três amostras por conveniência, composta por gestores e informantes-chave, pais e/ou responsáveis pelos pacientes e os colaboradores da equipe de serviço do hospital Instituto Fernandes Filgueiras (IFF/Fiocruz), localizado na cidade do Rio de Janeiro. A amostra de usuários foi selecionada conforme os critérios de inclusão: adultos, todos os gêneros, maiores de 18 anos, de diversas condições socioeconômicas e de níveis de escolaridade distintos. As informações foram coletadas durante as gravações das conversas com os participantes, o que permitiu que as respostas dos usuários externos e do staff do hospital fossem gravadas e depois transcritas.

Guilherme Gattás Bara
PPDESDI Doutorado

Design para Inovação Social e Sustentabilidade: Um estudo sobre as Hortas Comunitárias do Rio de Janeiro

Fernanda Gusmão Pernes
PPDESDI Doutorado

Design gráfico e imagem em movimento no Brasil

Esta tese apresenta um estudo sobre a produção resultante da interação entre design gráfico e imagem em movimento no Brasil. Os objetivos desta pesquisa são: ampliar as fronteiras do campo e as possibilidades de atuação profissional para designers; integrar os artefatos gráficos audiovisuais ao campo do design gráfico, não só na prática, mas também na teoria; e reconhecer o território híbrido que surge dessas relações como um campo de conhecimento compartilhado entre design e audiovisual. Para tanto, foi feita uma revisão bibliográfica, pesquisas em portais de publicações científicas e instituições acadêmicas, e em plataformas digitais de vídeo. Este procedimento possibilitou uma reflexão sobre os conceitos de cultura material, cultura visual e memória gráfica, que podem contribuir com estratégias historiográficas para a inserção dos objetos deste estudo na história do design gráfico brasileiro. Inicialmente, propõe-se olhar de forma isolada para o design gráfico e para o audiovisual como dois campos relativamente autônomos, analisando-se os seguintes itens: artefatos e conceitos; historiografias e histórias; âmbitos educacional e profissional. Em seguida, estes parâmetros de análise são aplicados a estes mesmos itens, porém sob outra perspectiva: examina-se o campo híbrido que surge dos atravessamentos entre design e audiovisual. Por fim, é feita a montagem de uma coleção de artefatos gráficos audiovisuais, que tem como critérios de seleção: a existência de um arquivo on-line acessível gratuita e publicamente; o reconhecimento social e histórico; e a importância para a construção da memória gráfica brasileira. Com isso, a tese visa fornecer um conteúdo relevante para educadores do design em suas atividades de ensino, bem como a todos os interessados no aprendizado deste assunto, constituindo um repertório, um subsídio cultural de amplo acesso.

Daniela Souto
PPDESDI Doutorado

Plataforma de compartilhamento para materiais para o ensino de desenho

Cristina Jardim Batista
PPDESDI Doutorado

Estudo interdisciplinar da Cultura Material, com foco no trançado indígena, para construir bases para o ensino de Design e contribuir para a preservação da cultura material.

Camila Carol de Albuquerque Oliveira
PPDESDI Doutorado

O processo de profissionalização do UX reseacher

Bruna Milam Almeida
PPDESDI Doutorado

Influências Artísticas no Design Gráfico de Lygia Pape

André Antônio de Souza
PPDESDI Mestrado

As crenças semióticas do branding como atuantes microfascistas na produção dos regimes de verdade

O presente trabalho parte da necessidade de expor como a parceria simbiótica entre branding e design reforça regras normativas e padronizadoras da produção de conteúdo visual mercadológico, que sustentam a colonização da subjetividade por práticas consumistas de discursos logocêntricos e fins capitalistas, focando na captura do desejo como principal recurso de dominação. A partir da análise dos discursos e comportamentos observados em 5 perfis presentes na rede social Instagram, pretende-se realçar o caráter tóxico da relação entre estética e capitalismo ao analisar as estratégias mitológicas e fetichistas utilizadas como forma de incentivo a vinculação e criação de afetos entre público e marca, usadas para endossar a produtificação da estética e a criação de personas como principal mercadoria, acarretando no consequente assujeitamento dos consumidores. Destaca-se o interesse em investigar os elementos não-discursivos associados aos fluxos de poder que possibilitam o surgimento e a conservação destes discursos - entender as dinâmicas políticas, linguísticas e mercadológicas que permitem a dominância desses saberes enquanto discursos de autoridade formadores de regimes de verdade; em outras palavras, pretende-se problematizar o princípio de formação desses saberes tornados autoridades, enquanto modelo de dominação simbólica colonial. Assim, o intuito é desenvolver percepções e reflexões sobre a colonização da subjetividade no fazer linguagem visual, levantar questões onde o design corrobora para a alienação das mentes e exclusão de formas de expressão não convencionais, reforçando o desejo reacionário por uma linguagem homogênea. Para isso, será utilizado o método arqueológico proposto por Foucault para situar esses discursos em territórios de codificação persuasiva e padronizada, identificando suas regularidades naturalizadas convertidas em mitos que funcionam como regras de formações discursivas, como também desvelar a natureza agenciada dos discursos, sua estrutura interna não unitária, composta pelos acontecimentos e singularidades que determinaram a sua condição de existência. Para contribuir com a sustentação dos argumentos, serão utilizados conceitos de Deleuze, Guattari, Foucault, Barthes, Pasolini, Rolnik, Adilson Citteli, W. J. T. Mitchell, Serroy e Lipovetsky como revisão bibliográfica desta pesquisa.

Bianca Domingues de Matos
PPDESDI Mestrado

Comunicação científica na cultura imediatista: Estratégias do design para promoção da saúde pública através da divulgação científica

Raquel Leal Cunha Cruz Pereira
PPDESDI Mestrado

O design de interiores na política pública habitacional: o projeto Da Porta Para Dentro da SMHRF - Niterói/RJ

Victor Papanek, no seu livro Design for the Real World (1972), fez um chamado aos designers para repensar sua atuação e impacto social, inaugurando uma nova agenda social para o design. Para Victor Margolin e Sylvia Margolin (2002) uma estruturação do design social precisa ser feita e para isso eles orientam que os designers trabalhem em conjunto com os profissionais das ciências humanas. Na prática, os assistentes sociais, por exemplo, desenvolvem uma visão holística do cliente, colocando-o no centro da tomada de decisões e trabalhando em consonância com uma equipe multidisciplinar para o atendimento das necessidades levantadas. Como estrutura de trabalho, eles seguem 6 passos: engajamento, diagnóstico, planejamento, implantação, avaliação e finalização. Para os pesquisadores, os designers podem participar na fase de diagnóstico como um membro interventor ou consultor, identificando fatores que contribuem para o problema, e durante a implantação o designer pode trabalhar com o cliente criando soluções. Verificando os benefícios gerados para os assistentes sociais com a inserção do design de interiores no TTS pelo projeto DPPD e a necessidade dos designers em construir uma estrutura de trabalho para o design social, percebe-se uma relação de benefício mútuo entre as duas áreas de atuação. Essa relação deve ser explorada pois o seu resultado aponta para uma inovação social nas HIS. O design social é uma perspectiva de projeto, motivada por necessidades humanas não atendidas, e ocorre num processo colaborativo. Por conseguinte, a inovação social pode ser entendida como o produto desse processo que visa empoderar os sujeitos ou comunidade. (OLIVEIRA, M.V. M.; CURTIS, M. C. G., 2018) Para o design social, é preciso integrar nos processos projetuais os métodos participativos, colocando o usuário no centro de sua concepção. Papanek (1995) e Manzini (2017) corroboram para a visão do usuário como protagonista e o designer como um intermediador que incentiva a busca por soluções a partir da apresentação de suas ferramentas e técnicas. Ao designer, cabe adaptar-se a um novo papel enquanto profissional. As experiências e resultados alcançados no projeto Da Porta Para Dentro apontam para um avanço nesse sentido. Esta proponente está como gestora do projeto desde sua implantação no ano de 2021 e ao aplicar um olhar crítico sobre a trajetória do projeto, identifica que é preciso adaptar a metodologia empregada até o momento para melhor atendimento dos conceitos do design social. A questão central deste projeto de pesquisa é a análise da atuação do designer de interiores na política pública habitacional através do projeto Da Porta Para Dentro e o aprimoramento de sua metodologia.

Cláudia Estefânia Ferrari
PPDESDI Mestrado

Gestão de Processos e Projeto: Análise da Gestão em Projeto de Arquitetura

Com a intenção de apresentar conceitos fundamentais a serem desenvolvimentos pelos stakeholders (primeiramente), será utilizado como base para esse estudo as boas práticas de Gestão de Projeto e metodologias descritas no Guia PMBOK, e a partir da gerência de projetos, promover melhorias de qualidade de serviços prestados, e assim melhoria na qualidade do produto entregue uma vez que pode-se obter redução de custos e prazos; aumentando a capacidade de competitividade no mercado.

Mariana Santoro
PPDESDI Mestrado

Inteligência Artificial como ferramenta para o Design

Renato Gonçalves Gaudioso
PPDESDI Mestrado

Os valores do trabalho manual: passado e presente

Gabriela De Laurentis
1 2 3 4 5... 19